Plano de aula: Diferenças

A Abelha Chocolateria

Era uma vez uma abelha que não sabia fazer mel.

- Mas você é uma operária! - gritava a rainha - Tem que aprender.

Na colméia havia umas 50 mil abelhas e Anita era a única com esse problema. Ela se esforçava muito, muito mesmo. Mas nada de mel...

Todos os dias, bem cedinho, saía atrás das flores de laranjeira, que ficavam nas árvores espalhadas pelo pomar. Com sua língua comprida, ela lambia as flores e levava seu néctar na boca. O corpinho miúdo ficava cheio de pólen, que ela carregava e largava, de flor em flor, de árvore em árvore.

Anita fazia tudo direitinho. Chegava à colméia carregada de néctar para produzir o mais gostoso e esperado mel e nada! Mas um dia ela chegou em casa e de sua língua saiu algo muito escuro.

- Que mel mais espesso e marrom... - gritaram suas colegas operárias.

- Iac, que nojo! - esbravejaram os zangões.

Todo mundo sabe que os zangões se zangam à toa, mas aquela história estava ficando feia demais. Em vez de mel, Anita estava produzindo algo doce, mas muito estranho.

- Ela deve ser expulsa da colméia! - gritavam os zangões.

- É horrorosa, um desgosto para a raça! - diziam outros ainda.

Todas as abelhas começaram a zumbir e a zombar da pobre Anita. A única que ficou ao lado dela foi Beatriz, uma abelha mais velha e sábia.

Um belo dia, um menino viu aquele mel escuro e grosso sobre as plantas próximas da colméia, que Anita tinha rejeitado de vergonha. Passou o dedo, experimentou e, surpreso, disse:

- Que delícia. Esse é o mais saboroso chocolate que eu já provei na vida!

- Chocolate? Alguém disse chocolate? - indagou a rainha, que sabia que o chocolate vinha de uma fruta, o cacau, e não de uma abelha.

Era mesmo um tipo de chocolate diferente, original, animal, feito pela abelha Anita, ora essa, por que não...

Nesse momento, Anita, que ouvia tudo, esboçou um tímido sorriso. Beatriz, que também estava ali, deu-lhe uma piscadela, indicando que tinha tido uma idéia brilhante.

No dia seguinte, lá se foram Anita e Beatriz iniciar uma parceria incrível: fundaram uma fábrica de pão de mel, juntando o talento das duas para produzir uma deliciosa combinação de mel com chocolate.

Moral da história: as diferenças e riquezas pessoais, que existem em cada um de nós, são singulares e devem ser respeitadas.

Fábula de Katia Canton*, ilustrada por ionit
*com idéia de João Roberto Monteiro da Silva, 7 anos.





Plano de aula

Material necessário
Cópias do texto A abelha chocolateira, de Katia Canton

Objetivos

Reconhecer a fábula como gênero da língua portuguesa; identificar os elementos desse tipo de texto; e refletir sobre a moral e a ética no convívio social.

Com diálogos curtos e texto econômico, a fábula é uma história de ficção, escrita em verso ou em prosa. Uma de suas principais características é ter como personagens animais e plantas e objetos animados, que ganham características humanas. Essa forma alegórica de contar uma história apresenta as virtudes e os defeitos do mundo dos homens e leva a interpretações sociais para ilustrar um ensinamento ou uma regra de conduta. É por isso que toda fábula tem, no desfecho, uma moral.

Essa narrativa de natureza simbólica tem origem remota e incerta, pois se mescla à necessidade do homem de criar e de contar histórias para transcender as atividades cotidianas e recriar o mundo. Algumas fontes indicam que a fábula começou a ser contada na Suméria, no século 8 a.C. Mas foi na Grécia Antiga, em meados do século 5 a.C., pelas mãos do escravo Esopo, que ela ganhou a fórmula atual: sintética, alegórica, tendo animais demonstrando sentimentos e uma pitada de humor. Esopo sempre terminava as fábulas explicando a moral e, assim, ensinava valores. Graças ao francês Jean de la Fontaine (1621-1692), a fábula introduziu-se definitivamente na literatura ocidental, dessa vez de forma menos sintética e mais contextualizada. Ontem e hoje, com nuanças e autorias diferentes, as histórias se repetem.

A principal proposta do gênero é a fusão de dois elementos, o lúdico e o pedagógico. A leitura de A abelha chocolateira, da escritora Katia Canton, vai ajudar seus alunos a entendê-lo melhor. O texto pode ser explorado com turmas de 2a série de acordo com o plano de aula elaborado pela pedagoga Wânia Menezes Picchi, professora da Escola Viva, em São Paulo.

O que cada animal faz, na natureza e na ficção

Antes de apresentar a fábula à turma, provoque uma discussão sobre o comportamento dos animais em seu ambiente. Divida os estudantes em grupos e questione-os sobre as funções que cada bicho exerce no seu grupo. O que se espera da formiga? Que ela transporte folhas, cascas e outros materiais para construir o formigueiro. E da leoa? Que ela saia para caçar e traga alimentos para os machos e os filhotes. Na colméia, a função da abelha operária é colher o néctar para fazer mel. Registre no quadro-negro ou em um papel grande as hipóteses que a garotada levanta.

Distribua o texto A abelha chocolateira para as crianças e peça para acompanharem a leitura que você faz em voz alta. Ainda em grupos, elas vão marcar no texto palavras ou trechos que indicam ações humanas atribuídas às abelhas - "gritava", "tem que aprender", "fazia tudo direitinho", "esbravejaram", "indagou", "fundaram uma fábrica de pão de mel" etc. - assim como características - "é horrorosa", "um desgosto para a raça", "rejeitado de vergonha" etc.

Hora de retomar a primeira discussão sobre as funções de cada animal na natureza e comparar o registro que está na lousa ou no papel com os trechos grifados no texto. Provoque um diálogo sobre as conclusões do grupo e vá registrando as idéias: o que vocês perceberam quando compararam as atitudes do animal em seu hábitat natural e na história? Na natureza, a abelha age de um jeito e no texto ela se comporta mais como as pessoas. Vá conduzindo a discussão de forma que os alunos percebam os elementos estruturais da fábula. Peça para copiarem as conclusões no caderno.

O próximo passo é fazer a leitura de fábulas de autores diversos para os estudantes perceberem sua estrutura. A repetição facilita a assimilação e a generalização das características do gênero, permitindo que eles compreendam que aqui é a estrutura que prevalece e não a autoria, como num romance.

Esses textos podem ser dramatizados. Divida a turma em quatro grupos e entregue a cada um uma fábula diferente. Após a leitura, cada grupo vai bolar um roteiro e definir quem será cada personagem. Como lição de casa, peça para treinarem suas falas - um aluno deve ser o narrador. Reserve uma aula para um ensaio geral outra para a apresentação dos grupos.

A importância de respeitar as diferenças

Retome o texto A abelha chocolateira para refletir sobre a moral da história. Em dupla, os alunos devem discutir com o colega e escrever qual a função da abelha operária dentro da colméia. Depois, individualmente, eles vão responder o que a autora quis dizer com a frase "Anita fazia tudo direitinho". Como as outras abelhas operárias reagiram ao comportamento de Anita? No final da fábula, Anita esboçou um tímido sorriso. Pergunte: como ela estava se sentindo ao produzir um mel diferente? Alguma vez você já esboçou um tímido sorriso por algum sentimento? Conte em detalhes como foi.

A idéia é ver se o aluno se identifica com a moral da história. Lembre que a moral deve ser trabalhada como conseqüência da situação que a fábula apresenta e nunca isoladamente. Por fim, sugira que as crianças produzam uma narrativa em que apareçam personagens com características bem distintas. O objetivo é incentivá-las a trabalhar com as diferenças e as riquezas que existem em cada pessoa, a base da moral da fábula de Katia Canton.


Retirado: www.novaescola.com.br

9 comentários:

  1. Creio que ao reconhecer as diferenças dos educandos, trabalhar as habilidades se torna algo ainda mais necessário para a prática educativa coerente com a realidade do aluno.

    Lembrando que, não são apenas os alunos que possuem suas diferenças, os professores, também, devem se ousar a conhecer mais sua história e das suas raízes para que eles consigam trabalhar em sala de aulas assuntos que, certas vezes, ele negligencia por ser "polêmico" ou "abrangê-lo".

    Tânia B. Teodoro

    ResponderExcluir
  2. olhe a vida do pedagogo não é facil e vcs facilitam o trabalho pedagogico...parabens e obrigadooooooooo

    ResponderExcluir
  3. olhe a vida do pedagogo não é facil e vcs facilitam o trabalho pedagogico...parabens e obrigadooooooooo

    ResponderExcluir
  4. Amei seu blog.
    está me ajudando muito com os meus pequenos pré-silabico.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Olá gostei muito do seu Blog por ter assuntos bastante diversificados e interessantes.Parabéns !Isabel

    ResponderExcluir
  6. Olá gostei muito do seu Blog por ter assuntos bastante diversificados e interessantes.Parabéns !Isabel

    ResponderExcluir
  7. Amei seu BLOG vou utilizar algumas de suas idéias para preparar minha aula.parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Obrigada pela ajuda. Vou visitar e usar tudo que pode me ajudar em sala de aula.

    ResponderExcluir

Comenta vai... Assim você me incentiva!

Como Salvar as Imagens do Blog

Clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e escolha a opção: EXIBIR IMAGEM

Clique na imagem que aparecer; novamente com o direito, e escolha SALVAR IMAGEM COMO.

Escolha a pasta do seu pc para ser salva e pronto.

Você Curte? Dá um Joinha!

Marcadores

AGRESSIVIDADE INFANTIL ALFABETIZAÇÃO ALFABETOS ALIMENTAÇÃO ANIMAIS ARTE COM CD USADO ARTE COM GARRAFA PET ARTES ARTESANATO ATIVIDADES 1º AO 5º ANOS ATIVIDADES CIRCO ATIVIDADES COM SUCATA ATIVIDADES DE LÓGICA E CONCEITOS atividades educação infantil ATIVIDADES PARA O 3° ANO ATIVIDADES PÁSCOA ATIVIDADES SOBRE A CASA ATIVIDADES SOBRE A ESCOLA ATIVIDADES SOBRE A ÁGUA ATIVIDADES SOBRE FAMÍLIA AUTISMO AVALIAÇÕES BRINQUEDOS DE PAPEL CADERNOS DE ATIVIDADES CALENDÁRIOS CALENDÁRIOS 2014 CAPAS PARA CADERNO CARNAVAL CAÇA PALAVRAS CIÊNCIAS COISAS DE E.V.A COMO ALFABETIZAR CONCEITOS MATEMÁTICOS CONSCIÊNCIA NEGRA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COORDENAÇÃO MOTORA COPA DO MUNDO CORES CORPO HUMANO CRECHE DECOUPAGE DESENHOS PARA COLORIR DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA DIA DA CRIANÇA DIA DA ESCOLA DIA DA MULHER DIA DA ÁGUA DIA DA ÁRVORE DIA DAS MÃES DIA DO CIRCO DIA DO ESTUDANTE DIA DO LIVRO DIA DO SOLDADO DIA DO TRABALHO DIA DO ÍNDIO DIA DOS PAIS DIA E NOITE ATIVIDADES DIA INTERNACIONAL DA MULHER DICAS PARA BLOGUEIRAS DINÂMICAS DISCRIMINAÇÃO VISUAL DOBRADURAS EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EJA ENSINO RELIGIOSO ESQUEMA CORPORAL ESTAÇOES DO ANO EXPERIÊNCIAS feira literária escolar FESTA JUNINA FOLCLORE FORMAÇÃO HUMANA HIGIENE CORPORAL HIPÓTESES DA ESCRITA IDENTIDADE INCLUSÃO INDEPENDÊNCIA DO BRASIL INDISCIPLINA INGLÊS INTERPRETAÇÃO DE TEXTO JOGO DA MEMÓRIA JOGOS JOGOS DE AÇÃO JOGOS DE COLORIR JOGOS DE COLORIR BÍBLICOS JOGOS DE COLORIR PARA MENINAS JOGOS DE RACIOCÍNIO LEGISLAÇÃO LIBRAS MATEMÁTICA MATERNAL MEIO AMBIENTE MEIOS DE COMUNICAÇÃO MEIOS DE TRANSPORTES MENSAGEM MOLDES INTERESSANTES MONTEIRO LOBATO MÚSICAS NASCIMENTO DE JESUS NATAL NORMAS DE CONVIVÊNCIA NUMERAIS Organização da sala de aula ORIENTAÇÕES AOS PAIS ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS ORTOGRAFIA OS SENTIDOS para pais PLANEJAMENTO PLANOS DE AULA PONTILHADOS E TRACEJADOS PORTUGUÊS PRIMAVERA proclamação da republica PROJETO ABC DAS FLORES PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETOS PROVAS PÁSCOA - SENTIDO DA PÁSCOA recicláveis REGRAS E COMBINADOS SAÚDE SERES VIVOS SMILINGUIDO SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO TEXTOS TRABALHANDO AS DIFERENÇAS VINÍCIUS DE MORAES VOGAIS VOLTA AS AULAS